A Fragilidade da Fotografia

As intenções do fotógrafo não determinam o significado da foto, que seguirá seu próprio curso, ao sabor dos caprichos e das lealdades das diversas comunidades que dela fizerem uso.

– Susan Sontag

Em algum ponto, quando começamos a estudar fotografia, torna-se inevitável refletir sobre a fragilidade das imagens. Segundo John Berger, em sua série “Ways of Seeing”, por serem silenciosas e estáticas, as pinturas estão sujeitas a serem usadas em diversos contextos para justificar pontos de vista que não correspondem a intencionalidade do artista. O mesmo acontece com a fotografia.

Toda a objetividade que um dia foi atribuída à fotografia como uma qualidade inata, não passava de um devaneio. A sua intencionalidade como fotógrafo não detém o poder de dar um sentido a imagem captada. Por muito tempo acreditei que fotografar era um sinônimo de comunicar, transmitir e informar. Ledo engano. Fotografar é imaginar, construir e ilustrar.