A Traição da Fotografia

a-traic3a7c3a3o-das-imagens-isto-nc3a3o-c3a9-um-cachimbo-renc3a9-magrite-belgica-1898-1967-bc3a9lgica-1929-olc3a9o-sobre-tela-acervo-do-museu-de-arte-do-condado-de-los-angeles-h“La trahison des images”, 1928-29. René Magritte.

Isto não é um cachimbo. A complexidade de um quadro, aparentemente, tão inteligível, rendeu até mesmo um livro escrito por Michel Foucault que compartilha o título da pintura. Mas, há duas explicações bem fáceis de serem obtidas através de reflexões a cerca da pintura. A primeira explicação é a relação entre texto e imagem. Na cultura ocidental, o texto (ou legenda) sempre tem uma capacidade maior de atribuir significado a imagem do que a imagem em si. E a segunda explicação, a minha favorita, nos faz perceber que uma imagem é sempre a representação de uma coisa e não a coisa em si.

A fotografia não é uma representação mecânica da realidade. A fotografia é uma ficção.